Posts tagged Incra

Não vá sonhando

ou “Your future is what you make it”

Minha colega de trabalho hoje lamentou o fato de não haver, no prédio em que trabalhamos, nenhuma área de lazer, nenhum jardim onde relaxar a mente, nenhum espaço para os funcionários descansarem os músculos, os neurônios, as energias.

Ela me disse que já conversou com o superintendente, mas ele sempre responde que isso tudo vai haver no prédio novo que estão construindo (há anos). Que desculpa! E assim teremos que aturar por quanto tempo as más condições de trabalho em que estamos? O novo prédio será um spa, onde vamos apenas compensar o tempo perdido.

Não, esta situação não é a ideal. O crente que espera que um salvador venha solucionar os problemas do mundo é um covarde. Enquanto não temos o melhor planeta onde viver, comecemos a construí-lo. O maravilhoso mundo do futuro que esperamos e representamos nas imagens da ficção científica não será trazido por deuses ou messias. Será realizado por nós.

Mesmo que não estejamos diretamente envolvidos com a elaboração de tencologisa avançadas, podemos ao menos cuidar da limpeza da Terra, deixando-a em condições de sobrevivência e de vida e com a capacidade de manter as cidades e aparatos tecnológicos que tanto nos serão úteis.

Se quisermos ter aqueles ambientes límpidos e espelhados (como o cenário do ano de 2015 em De Volta para o Futuro II), sem nanhum vestígio de manchas de sujeira que vemos em filmes futuristas, não vai adiantar esperar por máquinas autolimpantes. Uma máquina autolimpante gasta desnecessariamente energia com uma atividade que nós mesmos podemos fazer. E podemos começar agora.

Esperar que o mundo melhore para que nós vivamos melhor? Costumamos falar muito da importância de sonhar, de imaginar um futuro melhor, de ter esperanças. Mas o compromisso exige esforços concretos e a relação de si com o mundo, não o ensimesmamento que remói a esperança, que às vezes pode dar à luz o desespero. Lembremos da lição de Dr. Brown a Jennifer, quando o conteúdo da folha de papel que ela trouxe do futuro se apagou diante de seus olhos:

Your future hasn’t been written – no one’s has. For better or worse, your future is what you make it.

Sempre me emociono quando lembro dessa cena.

iTettigonia viridissima/i

Tettigonia viridissima

Anúncios

Comments (2) »

Relato de viagem 5 – Natal-Salvador-Natal

4 de agosto de 2008 e.c.

Chegamos em Natal por volta de 1:00. Não pude ir para casa. Maus pais vieram ao aeroporto com roupas limpas, apenas para eu trocar o conteúdo da mala e embarcar para Salvador, capital da Bahia.

Encontrei os dois colegas do Incra que iam comigo. Chegamos bem a Soterópolis e fomos nos hospedar no Hotel Alah Mar. Dormi até as 12:00. Almoçamos carne e jantamos bacalhau.

5 a 7 de agosto de 2008 e.c.

Participamos de todas as sessões da Oficina de Capacitação dos Agentes Promotores da Regularização de Territórios Quilombolas, motivo de nossa viagem. O evento foi bom.

ObelixNestes dias, comi muito bacalhau, ora pois, o dono do hotel é português. Resolvemos ir comer numa churrascaria que servia muitos tipos de iguaria, inclusive carne de javali. Infelizmente, não pudemos ir lá e não provei do javali. Ficará para outra oportunidade descobrir meu lado Obelix.

Enquanto refletia, durante minha estada em Salvador, sobre minha programação existencial, chamou-me atenção uma diferença interessante entre os dois colegas que estavam comigo. Um deles é uma pessoa que eu poderia chamar de conformista. Não possui ambições. Parece-me que, para ele, as coisas irão bem enquanto ele permanecer fazendo sempre o mesmo serviço no Incra, de modo que a Capacitação não lhe deu nenhuma perspectiva nova. Também me parece que ele vive para ter os prazeres simples da vida, comer e dormir. Não consegui deixar de achá-lo parecido com um orangotango (talvez ele tenha sido um em uma vida anterior), mas escrevendo agora me dou conta que ele parece muito com Balu:

Look for the bare necessities
The simple bare necessities
Forget about your worries and your strife
I mean the bare necessities
That’s why a bear can rest at ease
With just the bare necessities of life

Já o outro é um homem muito curioso e criativo, que faz boas associações de idéias. Ele contou que, na juventude, descobriu como fazer uma serigrafia, através de tentativa e erro, numa época em que as serigrafias guardavam segredo de suas técnicas, e passou a trabalhar com isso durante muitos anos. É uma pessoa com grande potencial intelectual e inventivo, mas, como ele mesmo conta, não exerceu atividades que pudessem ter resultado em grandes benefícios para a humanidade.

É engraçado que, soletrando ao contrário o nome de cada um destes dois personagens da vida real, soletra-se o nome do outro. Eles representam as perspectivas de dois caminhos que não quero seguir em minha vida: o da frustração (por ter subutilizado os próprios traços-força) e o da omissão (por ter renunciado há muito tempo os próprios potenciais).

8 de agosto de 2008

Meus pais vieram me pegar no aeroporto. Após levarmos de carona meus colegas para suas respectivas residências, fomos para casa, e dormi com o despertador ao lado, para tentar assistir à abertura das Olimpíadas de Beijing. Perdi quase uma hora do espetáculo.

Nini

Nini

Leave a comment »